Casa Branca comemora mudança nas regras de impostos de renda

Criada pelo Comitê do Partido Republicano, a reescritura reduz os impostos para as empresas e os ricos oferecendo alívio misto e temporário aos trabalhadores.

Por: Andrea Woodard

Na última quarta-feira, 20 de dezembro,  o presidente Donald Trump recebeu a sua maior conquista legislativa de sua gestão – a aprovação da reescritura do código tributário dos EUA. Em um processo normalmente secreto – não foram realizadas audiências públicas, e múltiplas emendas de última hora, pressionadas pelos lobistas, a versão final to texto foi aprovada pela Câmara dos Deputados.

PRINCIPAIS MUDANÇAS

  • Diminuição dos impostos corporativos – Considerada como a maior queda de impostos corporativos na história dos EUA, a alíquota vai de uma margem entre 15 a 35%, para uma alíquota simples de 21%, efetiva em 2018.
  • Retirada da obrigação do Plano de saúde – A lei atual exige que as pessoas tenham plano de saúde ou recebem uma penalidade no imposto de renda. O Governo de Trump espera assim arrecadar em torno de U$318 bilhões de dolares, uma vez que levará 13 milhões de pessoas a perderem sua cobertura de seguro saúde.
  • Taxas individuais mais baixas, temporariamente – Atualmente, os EUA têm sete alíquotas fiscais que variam de 10% a 39,6%, o que se aplica a renda acima de US $ 418,000 para solteiros e US $ 471,00 para casais. Todos os indivíduos verão uma diminuição de impostos entre 2019 a 2027. Sob o novo plano, algumas dessas alíquotas caem, incluindo a máxima, que seria de 37%, aplicável a renda acima de US $500.000 para solteiros e US $600.000 para casais. Contudo, as alíquotas baixas expiram em 2025, e os valores voltam a subir em 2027.

ALÉM DE QUESTÕES TRIBUTÁRIAS

Os republicanos argumentam que as mudanças impulsionarão o crescimento econômico, juntamente com a criação de novos empregos. Contudo, 55% dos americanos foram contrários as mudanças, de acordo com uma pequisa realizada pela CNN. Talvez a briga entre os partidos Republicano e Democrata, continue sendo a maior motivação. No desejo de cumprir com o seu lema “tornar a América excelente novamente”, o President Trump corre contra o tempo de destruir o legado deixado pelo ex-presidente Barack Obama, como é o caso do ‘Obamacare’. Restam aos democratas expressarem sua decepção, como disse à CNN a Senadora por Massachusetts Elizabeth Warren: “Vamos chamar isso do que realmente é: o Governo à venda”.

Com informações: CNN