EUA mantém liderança na importação de rochas ornamentais do Brasil

Exportações de rochas ornamentais como mármore, granito, ardósia, entre outras, para os EUA somaram em 2017 um total de US$ 692,3 milhões e 986,1 mil toneladas. Os Estados Unidos representaram 62,5% do total do faturamento das exportações brasileiras de rochas segundo balanço da associação brasileira da Indústria de Rochas Ornamentais.

MIAMI – É cada vez mais comum ver nas cidades americanas construções que privilegiam o uso de rochas ornamentais brasileiras. Usadas desde as fachadas de prédios até o interior das casas americanas em balcões, pias, pisos e etc, a vasta gama de pedras ornamentais do Brasil segue sendo procurada e importada por construtoras americanas e mudando o estilo nos EUA.

Dados divulgados pela Associação brasileira da Indústria de Rochas Ornamentais – ABI Rochas, mostram que as exportações brasileiras de rochas ornamentais e seus diversos produtos comerciais para 117 países do mundo somaram US$ 1.107,1 milhões e 2,36 milhões toneladas em 2017. Os três principais destinos foram EUA, China e Itália, nesta ordem. Apenas para oito países as exportações superaram US$ 10 milhões de dólares.

O Brasil é o terceiro maior exportador de granito, por exemplo, do mundo. O Estado do Espírito Santo responde por 50% da produção nacional de rochas ornamentais e por mais de 70% das exportações brasileiras. O país é, hoje, o principal fornecedor de rochas para o mercado norte-americano, segundo divulgado pelo Centro brasileiro de exportadores de Rochas Ornamentais – CENTROROCHAS.

Informativo CentroRochas Fev.2018

Para o especialista em Rochas Sidney Santos, que atua há mais de 40 anos neste mercado, a qualidade das rochas ornamentais brasileiras e a competência dos profissionais deste setor no Brasil tem atraído cada vez mais a atenção internacional. Nos EUA, apenas quatro meses após o início do ano, o total de rochas compradas do Brasil já alcança quase 70% do valor atingido em 2017 como mostra o informativo do CentroRochas.

“Ao longo das décadas que atuo neste setor pude perceber que o mercado brasileiro de rochas está cada vez mais respeitado mundialmente. Nos Estados Unidos, para onde viajo regularmente a negócios, percebo um apreço muito grande ao nosso produto e à nossa competência técnica nesta área. Não por outra razão os EUA figuram como o principal país consumidor das nossas rochas brasileiras”, pondera o empresário de 54 anos de idade. 

Sidney Santos conta que durante sua trajetória neste mercado procura levar à feiras e eventos mundiais a expertise brasileira no setor de rochas ornamentais. Segundo ele, há um apelo mundial pela qualidade das rochas que são exportadas do Brasil.

“Recentemente nas últimas feiras que estive, China Xiamem Internacional Fair, Stonex Canada e Coverings (The Global Tiles & Stone Experience) em Orlando nos Estados Unidos, pude apresentar a qualidade das nossas rochas e representar a dianteira brasileira neste mercado. O Brasil já é um dos maiores exportadores de rochas ornamentais do mundo e fazer parte dessa história é muito gratificante. Com certeza os anos de trabalho neste setor valeram e continuarão a valer muito a pena”, afirma o empresário.